Boletim

Archivo

Apresentação do Boletim da UISG n. 171-2020

Descarregar o Boletim aqui

Experiências de “sororidade” num mundo globalizado

Nesta edição do Boletim, quisemos abordar mais de perto um aspecto dramático do fenômeno da migração forçada do nosso tempo: o cuidado de menores estrangeiros não acompanhados.

A Igreja e a Vida Consagrada estão na vanguarda da Proteção de menores e adultos vulneráveis. O atendimento a menores estrangeiros desacompanhados se insere nesse quadro mais amplo e é um fenômeno muito atual. Acreditamos que é muito importante conhecer e entender esse fenômeno, partindo das causas que o determinam e considerando as diferentes perspectivas pelas quais ele pode ser estudado e abordado.

Como mulheres, temos um instinto natural para a proteção dos menores, e, como consagradas, somos chamadas a viver nossa vida como “a presença da caridade de Cristo no meio da humanidade”, para semear esperança e levar nova vida nos contextos de pobreza e marginalização que o nosso mundo globalizado nos coloca diante de nossos olhos.

Como mulheres consagradas, portanto, temos muito a oferecer a essa humanidade sofredora e fazemos juntas, criando “sororidade”, formando redes de comunhão e colaboração que nos darão energia e força, e nos protegerão da tentação de ficar longe das feridas de Cristo:

“Às vezes sentimos a tentação de ser cristãos, mantendo uma prudente distância das chagas do Senhor. Mas Jesus quer que toquemos a miséria humana, que toquemos a carne sofredora dos outros. Espera que renunciemos a procurar aqueles abrigos pessoais ou comunitários que permitem manter-nos à distância do nó do drama humano, a fim de aceitarmos verdadeiramente entrar em contato com a vida concreta dos outros e conhecermos a força da ternura. Quando o fazemos, a vida complica-se sempre maravilhosamente e vivemos a intensa experiência de ser povo, a experiência de pertencer a um povo. EG, 270

Dra. Angela Rinaldi

Experiência de migração e desenvolvimento humano de menores estrangeiros não acompanhados.

Em termos de desenvolvimento humano, a migração de menores não acompanhados pode ser definida como um processo educacional profundo. Uma consciência real disso pode levar as pessoas que estão lidando com esse fenômeno a entender a totalidade do processo de desenvolvimento infantil. Esta é uma verdadeira “transição de menos condições humanas para mais condições humanas”, como afirma Paulo VI. A migração representa esse “movimento” de menos condições humanas para condições mais humanas nos níveis físico, psicológico e social. Esse conceito de desenvolvimento tem um forte impacto na pessoa e em todas as áreas da estrutura social, a ponto de os atores sociais, livres da mentalidade de “bode expiatório”, poderem contribuir para o desenvolvimento de si mesmos e da sociedade em que eles vivem.

Ir. Pat Murray, IBVM

Imaginando liderança numa Comunidade Global

Nossas comunidades e congregações são pontos nodais de uma tela muito maior de dinâmica cultural, histórica e econômica. O que acontece em uma parte do mundo, ou em uma congregação ou em uma parte da congregação, reflete o todo e fala em nome do todo. Com essa perspectiva global, começamos a perceber que a “diversidade luxuosa” da vida religiosa e nossa conectividade em todo o mundo podem causar um impacto significativo. As redes e projetos intercongregacionais que estão surgindo hoje falam profeticamente da unicidade da humanidade. Muitas vezes, no Sudão do Sul, a população local – embora muito grata pelas muitas maneiras pelas quais suas necessidades eram atendidas – pergunta repetidamente aos religiosos que vivem entre eles “como vocês, de tantas tribos diferentes, vivem junto?” É por isso que é importante trabalhar em conjunto e com outras pessoas para aprender a viver interculturalmente, enfrentar o preconceito e o racismo e nossas atitudes e comportamentos etnocêntricos.

Ir. Anna Sanchez Boira, MHSFN

Irmãs em comunhão fraterna no e para o mundo no século XXI

A comunhão sororal na Vida Religiosa apostólica feminina é um sinal profético. Os carismas em comunhão são expressão da riqueza do Evangelho, do mistério de Cristo que cada Instituto é chamado a difundir pela graça do Espírito. Deus conosco e através de nós evangeliza. Aqui está o desafio da vida apostólica: viver no mundo como irmãs e irmãos e, em comunhão de carismas, anunciar o Evangelho e fazê-lo acreditável em nosso tempo.

****

O Boletim UISG oferece às Superioras Gerais e às comunidades assinantes reflexões sobre a vida religiosa baseadas na Sagrada Escritura, teologia e espiritualidade.

Ele também visa promover uma melhor compreensão da vida religiosa, como ela está evoluindo em todo o mundo.

O boletim é publicado três vezes por ano em sete idiomas: alemão, francês, holandês, inglês, italiano, português e espanhol. Ele é enviado regularmente a todas as superioras gerais, membros da União por direito, bem como a pessoas, associações e organizações registrados como membros associados.

A quota anual como membro da UISG inclui uma assinatura anual ao Boletim UISG na língua solicitada pela Superiora Geral.

A fim de receber cópias adicionais para a Superiora Geral; ou fazer novas assinaturas para a Congregação no mundo; ou obter uma nova assinatura para as “não – Superioras Gerais”, é necessário escriver à: bollettino@uisg.org.

CUSTOS PARA CADA ASSINATURA
Europa 50 U$ or 45 Euro
Outros países  60 U$ or 50 Euro

Pago

Com autorização prévia da Secretária Executiva ou da Responsável do Boletim e confirmação das fontes, os artigos publicados no Boletim de UISG podem ser reproduzidos.

Para mais informações contactar:
Antonietta Rauti – Responsável Boletim UISG
Piazza di Ponte Sant’Angelo, 28 – 00186 Roma – Italia
bollettino@uisg.org – + 39 06 684002 32